Tânia Laranjo desmonta a teoria da “coincidência” em Budapeste

O arguido e ex-colega de escola do “pirata” vai ter muito que explicar! Já o outro arguido, o “Xico”, perante o juiz começou a engasgar-se de tal forma que o juiz teve de lhe dizer para “não fazer ninguém de parvo”.

Agora, Tânia Laranjo revela alguns detalhes interessantes:

Perante isto, alguém ainda acredita em coincidências? O cerco está a apertar!

Partilha com os teus amigos!